A suplementação de vitamina B12 por trás do prato de quem critica vegans por obterem-na de suplementos

b12

Muitos carnistas enchem a boca para acusar a alimentação de vegans e vegetarianos de “deficiente”, “insuficiente” e “não saudável” por não conter fontes naturais de vitamina B12, também conhecida como cobalamina, sendo ela obtida por meio de suplementos. Mas desconhecem que sua própria alimentação não vegana também depende da suplementação desse mesmo nutriente – só que, nesse caso, quem a recebe são os animais “de consumo” que serão mortos para fornecer a carne “rica” em B12 consumida por esses opositores do veganismo.

Não sabem, mas hoje é muito comum animais como bovinos, porcos e frangos receberem B12 sintética em sua alimentação. Provas disso são muito abundantes na internet, constando desde em sites especializados em pecuária e zootecnia até em lojas online de ração, suplementos e medicamentos veterinários para animais “de criação”.

Os bovinos, como primeiro exemplo, recebem cobalto para compor a B12 que é produzida em seu rúmen (órgão do sistema digestivo de animais ruminantes). Tanto em épocas de chuva como nas de seca, eles recebem suplementos minerais que incluem o cobalto. E mesmo animais que têm acesso a pastos fartos precisam suplementar esse nutriente, sob risco de sofrerem deficiência dele e, por tabela, de B12. E as condições ambientais de criações intensivas e semiextensivas também podem levar à deficiência da cobalamina, como atesta o site da Bayer Saúde Animal ao mencionar “perturbações do desenvolvimento e da alimentação dos animais novos por afecções próprias da criação”.

Os porcos, por sua vez, recebem suplementos propriamente de B12. Marcas de rações suínas fortificadas com nutrientes sintéticos, como a Campo & Roça e a Maxi, deixam claro que o uso da suplementação de cobalamina e outras vitaminas e minerais é padrão em animais que estão sendo engordados para o abate, não algo a ser aplicado exclusivamente em casos de doença e deficiência nutricional.

E os frangos não escapam à regra. Desde criações caseiras até agroindustriais de aves são alimentadas com rações fortificadas com B12 e diversos outros nutrientes. O site da Fatec Saúde e Nutrição Animal deixa muito claro, inclusive, que a ração suplementada tem como indicações: “Promover o crescimento e acelerar o ganho de peso mediante melhor índice de conversão alimentar com maior aproveitamento dos nutrientes;
Prevenir o aparecimento de deficiências vitamínicas e minerais;
Aumentar a resistência aos fatores críticos ou estressantes, inclusive enfermidades.”

Ou seja, a carne – assim como também o leite e os ovos – que carnistas convictos consomem não teria vindo ao freezer do supermercado ou do açougue se os animais de onde ela foi arrancada não tivessem recebido suplementação de B12 e tantas outras vitaminas e minerais. Em outras palavras, de uma maneira ou de outra, não dá para pessoas que vivem em cidades ou mesmo no campo se isentarem da necessidade do suplemento dessa vitamina.

Portanto, carnistas não têm moral nenhuma para chamar nossa alimentação de “deficiente”. Se querem criticar alimentações que “não proveem todos os nutrientes”, comecem por alfinetar a pecuária da qual insistem em depender, que não sobrevive hoje sem o uso de suplementos nutricionais. No final das contas, a pessoa que aponta o cisco nos nossos olhos tem uma trave nos seus próprios.

Siga-me aqui

Robson Fernando de Souza

Autor dos blogs Consciencia.blog.br e Veganagente e do livro Veganismo: as muitas razões para uma vida mais ética. Formado em Licenciatura em Ciências Sociais (UFPE, 2016) e Tecnologia em Gestão Ambiental (IFPE, 2008). Adora Sociologia, meio ambiente, Direitos Animais & Veganismo e autoajuda.
Siga-me aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *