farofa pronta sem carne
Fonte: Vip Fácil, do Supermercado SuperVip

Existem alguns alimentos industrializados que não possuem ingredientes de origem animal, mas exibem em seus rótulos ou embalagens horrendos pedaços de carne ou queijo.

Alguns exemplos são diversas marcas de farofas temperadas e molhos barbecue, cuja embalagem ou rótulo mostra pedaços de animais assados ou fritos.

Diante de produtos com esse detalhe, algumas pessoas veganas ou em transição ao veganismo podem se perguntar: o que a ética vegana tem a dizer sobre eles? É eticamente aceitável consumi-los? Ou há algum problema em consumir aquilo cujo rótulo aparentemente faz uma apologia ao consumo de animais mortos e seus derivados?

Tire essa dúvida por meio deste artigo, que trará uma reconfortante resposta para você.

Produtos vegetarianos cujo rótulo fazem alusão a animais mortos e assados podem ser veganos/vegan-friendly?

molho barbecue
Outro exemplo de produto vegetariano que mostra carne no rótulo

A resposta é que, se sua fabricante não faz testes em animais nem é envolvido em outro tipo de atividade especista – como patrocinar rodeios, vaquejadas e corridas de animais ou explorar tração animal na obtenção de matéria-prima -, não há problema ético em consumi-los.

Afinal, o que importa para o veganismo é que o produto não contenha ingredientes de origem animal e que a empresa que o fabrica não tenha esse envolvimento direto com exploração animal. Ou seja, que a produção dele não envolva usar animais mortos ou vivos.

Em outras palavras, nesse contexto não há por que evitar comer aquela saborosa farofa vegetariana cuja embalagem mostra um vicioso bife assado.

 

Mas mostrar carne ou laticínios na embalagem não é uma forma de promover a exploração animal?

Meme farofa temperada

Não necessariamente. Isso se dá não para incentivar vegetarianos e vegans a voltar a consumir produtos animais, mas sim geralmente para sugerir aos não vegetarianos que eles podem usar o produto industrializado em questão na mesma refeição que aquele prato de origem animal.

Consumir aquele barbecue que exibe uma repulsiva carne em seu rótulo pode até mesmo ter um efeito positivo: deixar claro à empresa que ela tem um público vegetariano e vegano crescente e, assim, à medida que essa parcela de consumidores se expanda, fazê-la passar a mostrar nele pratos vegetarianos, parar de exibir carnes e laticínios nesse meio e até mesmo investir em uma linha de produtos vegan-friendly.

 

Conclusão

Relaxe
Então relaxe!

Se você tem um desejo de consumir aquela saborosa farofa ou aquele delicioso molho barbecue mas relutava em comprar esses produtos por causa da ilustração do rótulo, conforte-se: tudo bem em comprá-lo se a empresa não for envolvida em patrocínio ou financiamento de atividades de exploração animal – fora a obtenção de insumos de origem animal para suas linhas não vegetarianas de produtos, uma vez que hoje é impossível boicotar toda e qualquer empresa não vegana.

Afinal, você não está fomentando o aumento do número de animais explorados ao consumir esses itens.

Sabendo dessa informação, você tem mais consciência de que o veganismo não se apega a comportamentos simbólicos, como evitar produtos vegan-friendly que estampam um pedaço de carne na embalagem, mas sim a enfraquecer a exploração animal com ações dotadas de efeitos práticos e eficazes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*