Jair Bolsonaro, uma ameaça aos Direitos Animais no Brasil
Jair Bolsonaro, uma ameaça aos Direitos Animais no Brasil

Aviso: Este artigo está fechado para comentários.

No seu primeiro discurso após a confirmação do segundo turno, Jair Bolsonaro fez uma declaração explicitamente ameaçadora, prometendo “botar um ponto final em todos os ativismos”.

Imediatamente ficou claro para muitas pessoas. Ele quer criminalizar, perseguir e reprimir tudo o que for ativismo social e político no Brasil, incluindo fatalmente o ativismo pelos animais – da defesa de cães e gatos ao veganismo libertacionista.

Portanto, venho trazer um alerta aos eleitores que não se encaixam no perfil “bolsominion fanático”: a eleição de Bolsonaro pode representar tempos sombrios para a defesa dos animais e do meio ambiente, e até mesmo para o simples consumo vegano, no país.

Por que Bolsonaro quer perseguir os veganos e defensores dos animais

Diante dessa ameaça, nos perguntamos: por que o candidato quer “botar um ponto final” na nossa liberdade de fazer ativismo social e político e defender os animais no Brasil?

A resposta não é difícil de se perceber. Logo antes, ele havia declarado seu apoio incondicional ao agronegócio e a intenção de liberá-lo para cometer toda sorte de abusos e crimes contra o meio ambiente, os animais e seus defensores.

Tanto o candidato extremista quanto seus aliados da bancada BBB – Boi, Bala e Bíblia veem o ambientalismo, a defesa do veganismo e do vegetarianismo e até mesmo o “bem-estar animal” como obstáculos para a liberdade dos latifundiários de fazerem o que quiser – mesmo de cometer crimes e matar humanos em nome da propriedade privada.

Eles já sabem que um Brasil mais vegetariano, vegano e preocupado com os animais e a natureza é um país menos lucrativo para pecuaristas, produtores de forragem animal e empresários do setor lacto-frigorífico. É um lugar mais difícil para se ganhar dinheiro com a destruição de florestas e o extermínio de animais em matadouros.

Daí a preocupação de Bolsonaro e seus apoiadores em combaterem os ativismos pela reforma agrária, pelos Direitos Animais, pela sustentabilidade, pelo veganismo e vegetarianismo, pelo consumo consciente etc. Mesmo que isso signifique pôr um ponto final também na democracia e nas nossas liberdades individuais e direitos políticos e civis.

Mas eu só sou um empreendedor de produtos veganos e vegetarianos. Isso pode me prejudicar também?

Votar em Bolsonaro é votar contra o veganismo e a causa animal
Votar em Bolsonaro é votar contra o veganismo e a causa animal. Imagem: página Voto Animal

Mesmo se você é só um empreendedor vegano ou vegetariano, não um ativista vegano-animalista, seu negócio corre um sério risco de ser fechado e proibido pelo Estado, e você ser impedido de trabalhar, num hipotético regime comandado por Bolsonaro.

Afinal, influenciar o mercado para ser mais receptivo a veganos e vegetarianos também pode ser interpretado como uma forma de ativismo.

É uma espécie de ativismo liberal por meio da economia, que visa tornar o mercado mais respeitador dos animais e substituidor de produtos animais por substitutivos livres de crueldade e diminuir o espaço das prateleiras para produtos de origem especista.

Considerações finais

Diante disso, ficou ainda mais evidente para os veganos, vegetarianos e demais protetores animais que se tornou uma obrigação ética não votar em Jair Bolsonaro, e uma recomendação enfática votar na alternativa, que é Fernando Haddad.

Se você ainda reluta em votar em Haddad, pense que você poderá protestar contra ele, caso seu governo prejudique você de alguma maneira. Poderá se juntar a outros cidadãos de direita e pedir “Fora Haddad” nas ruas, se quiser.

O mesmo não será possível sob Bolsonaro. Ele terá as Forças Armadas sob seu comando, tem claras propostas de suprimir os direitos políticos e as liberdades individuais dos brasileiros.

E afastou, com sua ameaça no discurso da noite do dia 7, a possibilidade de ser um simples presidente democrático de direita e defensor da liberdade dos cidadãos.

Portanto, se você ainda tem dúvidas sobre a ameaça que o ex-militar extremista representa para a nossas liberdades de defender os animais, ter uma alimentação vegetariana e empreender e trabalhar no mercado vegetariano e vegano, não há mais nenhuma de que ele quer proibir você de fazer tudo o que faz hoje e de sonhar com a libertação animal.

E novamente deixo claro: toda pessoa que se diz “vegana” e “defensora dos animais” mas vota convictamente em Bolsonaro, não passa de um vegetariano antivegano, apoiador deliberado do especismo e opositor e ameaçador da luta pelos Direitos Animais e da liberdade política dos seus defensores.