Bebê falecida de desnutrição em Santa Catarina: a manipulação corre solta para criminalizar o veganismo dos pais

Bebês vegetarianos e veganos não sofrem subnutrição por causa da ausência de produtos animais. A imprensa é insiste em associar preconceituosamente veganismo e desnutrição infantil

Bebês vegetarianos e veganos não sofrem subnutrição por causa da ausência de produtos animais. A imprensa é insiste em associar preconceituosamente veganismo e desnutrição infantil

Transitando entre a ignorância e a má fé, portais de notícia enfatizam que “os pais são veganos”, para fazer uma falsa associação entre veganismo e desnutrição infantil

Nesta semana, um casal de Santa Catarina, que vivia numa comunidade hippie, foi condenado pela morte da filha, de três meses de idade, por desnutrição. Os detalhes da negligência nutricional dos pais nada têm a ver com o veganismo, mas a mídia não perdeu tempo em apontar que “os pais da bebê são veganos”, com fins de manipulação, para alegar uma falsa associação entre veganismo e desnutrição infantil.

Provavelmente por deficiência na produção de leite materno pela mãe, os pais, moradores da comunidade hippie Vale da Utopia, alimentaram a menina com água de coco e oleaginosas (amêndoas, nozes, castanhas e pistaches). Faltou-lhes noção de nutrição de bebês em estágio de amamentação, e também a responsabilidade de procurar orientação especializada e confiável.

Isso em nada tem a ver com veganismo. Absolutamente nada nos livros de Direitos Animais e apoio ao veganismo recomenda que bebês filhos de mães com déficit de lactação recebam alimentação do tipo que a menina agora falecida ingeria.

Além disso, o veganismo nunca rejeitou, em seus fundamentos, o consumo de produtos industrializados – pelo contrário, às vezes esse consumo é até incentivado, em situações como carência de tempo de preparar refeições bem elaboradas e ausência de produtos veganos “naturais” no local onde o vegano está. Nem é intolerante a exceções em que haja, por motivos de emergência e total ausência ou inviabilidade de alternativas, o consumo de produtos não veganos, como medicamentos e fórmulas receitadas por profissionais de saúde.

Mas a imprensa não hesitou em dizer que essa má alimentação se deu “em decorrência da opção de vida dos pais, que se diziam veganos e rejeitavam ministrar à filha leite ou qualquer produto de origem animal, principalmente industrializado”, segundo o portal CGN. O mesmo site relata que “A defesa dos réus, exercida por representante da Defensoria Pública, alinhou sua argumentação à tese de que a morte da menor não ocorreu pela privação de alimentos e de que há necessidade de se respeitar e promover adequação social ao modo de vida vegano praticado no Vale do (sic) Utopia”, criando um espantalho de veganismo parecido com uma seita religiosa e intolerante a exceções.

O porquê de parte dos portais de notícias culparem o suposto veganismo dos pais da bebê transita entre a ignorância acerca dos princípios veganos e a má fé a serviço dos anunciantes pecuaristas, granjeiros, pesqueiros e lacto-frigoríficos. Não é à toa que temos visto nos últimos meses, com indignação, diversas reportagens e cenas de novela incitando o consumo de alimentos de origem animal e o preconceito antivegano.

Se muitas pessoas estão pensando que a culpa pela morte da criança é do “veganismo dos pais dela” e que crianças “não podem ser veganas”, não é por causa do veganismo em si. Mas sim do preconceito e intolerância que a imprensa, que tem entre suas parcerias publicitárias exploradores de animais, está fomentando para proteger os interesses e lucros dos seus anunciantes. Diante de uma mídia antivegana, precisamos resistir e compor nossa própria mídia alternativa, defensora do veganismo e derrubadora de preconceitos, falácias e manipulações.

se-gostou-apoie-o-blog-pelo-apoia-se

Siga-me aqui

Robson Fernando de Souza

Autor dos blogs Consciencia.blog.br e Veganagente e do livro Veganismo: as muitas razões para uma vida mais ética. Formado em Licenciatura em Ciências Sociais (UFPE, 2016) e Tecnologia em Gestão Ambiental (IFPE, 2008). Adora Sociologia, meio ambiente, Direitos Animais & Veganismo e autoajuda.
Siga-me aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *