Boato afirma que o MEC estaria estimulando a apreciação da zoofilia por crianças com redação. Clique na imagem para vê-la em tamanho completo
Boato afirma que o MEC estaria estimulando a apreciação da zoofilia por crianças com redação. Clique na imagem para vê-la em tamanho completo

Uma imagem mentirosa tem circulado nesses últimos dias, compartilhada por páginas de direita e extrema-direita do Facebook. Segundo ela, o Ministério da Educação (MEC) estaria ensinando crianças a gostarem de estuprar animais por meio de uma redação sobre um desenho de galinhas sexualmente violadas. O “flagra” teria sido feito em uma escola de Curitiba.

Pessoas em fóruns de veganismo no Facebook têm perguntado se a imagem é real e o MEC estaria realmente “ensinando indecências” a crianças. Ou têm alardeado como se fosse real, como se o ministério realmente estivesse fazendo isso, enganadas por páginas reacionárias.

 

Desmentindo o boato

A imagem, baseada numa charge assinada por um(a) cartunista estadunidense de sobrenome Collins, foi requentada de uma notícia real de 19 de novembro de 2010. Na época, foi flagrada numa escola do Ensino Fundamental, da rede municipal de Curitiba, uma prova de Geografia de primeira série que pedia para que os alunos ligassem cada habitante ao tipo de moradia em que viviam:

Clique na imagem para vê-la em tamanho completo
Clique na imagem para vê-la em tamanho completo

A prova acabou sendo recolhida, uma diretora foi exonerada e a Secretaria de Educação de Curitiba confirmou e lamentou o erro, atribuindo-o a um descuido na seleção das imagens.

O boato sobre a suposta redação apareceu com força nesta última semana de janeiro. Nenhum site de notícias sério noticiou qualquer redação que tenha reaproveitado o controverso desenho. Nem houve qualquer relato ou denúncia de que a imagem tenha sido usada em escolas de outras cidades brasileiras. Apenas páginas sociais e blogs ultraconservadores compartilharam a “notícia”.

Nenhum deles leva em conta que o MEC não é encarregado de elaborar avaliações escolares. Esse encargo é dos professores das próprias escolas. E qualquer alegação de que haja uma orientação por trás dos panos para que professores promovam zoofilia, pornografia e outras formas de violência sexual nunca sai do conspiracionismo carente de provas.

Apesar dessa ausência de fontes, as páginas em questão não hesitaram em culpar o ministério e o PT (que sequer tem um ministro na pasta da educação) pela inexistente prova de redação. Nem em pregar a violência contra petistas e “comunistas”.

 

O uso de boatos e mentiras como “ferramenta política” por reacionários

Página reacionária compartilha boato e defende perseguição política contra petistas e pessoas de esquerda. O "142" do nome da página é referente ao artigo da Constituição que dispõe sobre as forças armadas e é falsamente descrita como autorizadora de golpes militares
Página reacionária compartilha boato e prega ódio e perseguição política contra petistas e pessoas de esquerda. O “142” do nome da página é referente ao artigo da Constituição que dispõe sobre as forças armadas e é falsamente descrito como autorizador de golpes militares

É comum o uso da mentira, por reacionários assumidos, como arma para atacar a esquerda e o PT. Já são clichês os boatos e calúnias contra políticos como a presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula ou seu filho Fábio Luís e os deputados Jean Wyllys e Maria do Rosário (ex-secretária especial de Direitos Humanos).

Além disso, são muito frequentes as acusações de que o PT seria um “partido comunista” e estaria promovendo, por meio da educação escolar e dos meios de comunicação, o “marxismo cultural”, o “homossexualismo” (considerando que a maioria dos reacionários é homofóbica), a “ideologia de gênero” e formas diversas de violência sexual (como a pedofilia e a zoofilia). Não hesitam, com esse artifício, em pregar ódio, intolerância e perseguição política contra petistas e adeptos de ideologias de esquerda e também defender a restauração da ditadura civil-militar ou a eleição de um presidente de extrema-direita.

O hoax da redação pró-zoofilia se enquadra nesse costume. E escancara o perigo que o reacionarismo representa para a política no Brasil, por inundá-la de fanatismo, intolerância, formas diversas de desonestidade e defesa aberta da violência.

Compartilhe este post a todo mundo que vier compartilhando esse boato. Não podemos deixar que a causa animal seja usada como trampolim para atitudes que violam com força a ética de justiça, igualdade moral e antiopressão na qual se baseiam os Direitos Animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*