Leitão fofo, filhotinhos fofos
Leitão fofo, um exemplo de filhotinho fofo no qual poucos pensam

Filhotinhos fofos sempre são um amor.

Lindos, carinhosos, brincalhões, cuti-cuti… Eles conquistam nossos corações com uma impressionante facilidade.

Mas no mesmo mundo onde habitam cãezinhos e gatinhos fofinhos, também existem bilhões de filhotes igualmente doces que vivem poucos dias ou mesmo algumas horas em situação de total privação e são mortos sem ninguém sequer ter conhecimento de sua existência.

Convido você a pensar sobre essa realidade, a partir do seu amor por filhotes fofos, e nos ajudar a poupar incontáveis pequeninos de uma existência tão curta e miserável.

Alguns dos filhotinhos fofos cuja vida e morte a maioria ignora

Você adora gatinhos e cachorrinhos? Se sim, o que acha então de começar a pensar:

  • Nos bezerrinhos que, apesar de transbordarem fofura, são separados de suas mães poucos dias ou mesmo horas depois de nascidos, passam algumas semanas aprisionados em gaiolas – dentro das quais são chamados de vitelos – e são mandados para o abate para virarem carne de vitela?
  • Nos leitões, cujos vídeos fofos se multiplicam na internet, mas cuja maioria nasce em regime de confinamento extremo, tem seus dentes dianteiros, testículos e cauda mutilados sem anestesia e passa uma vida inteira presa em pequenas celas?
  • Nos coelhinhos – chamados pela zootecnia de láparos – que passam a vida inteira aprisionados em pequenas gaiolas e, quando entram na idade reprodutiva, passam pela “cobrição forçada”, que é basicamente um estupro induzido pelo criador?
  • Nos pintinhos que, logo depois que nascem, são separados entre machos e fêmeas e, se forem machos, são jogados vivos em máquinas de tritura? Ou, se forem fêmeas, têm parte de seu bico mutilado e são confinadas num galpão “cage-free” ou numa gaiola minúscula até o dia de sua morte?
  • Em todos aqueles filhotes que, por terem alguma doença ou malformação – muitas vezes acarretada pelo sofrimento que suas mães passam em vida -, são descartados como lixo, sendo mortos precocemente ou mesmo amarrados vivos em sacos de dejeto pecuário?
  • E em muitos outros filhotinhos fofos que ou morrem muito cedo, ou crescem sob uma vida de miséria, exploração e privação de direitos para serem abatidos numa idade muito mais precoce do que faleceriam em condições naturais?

Conclusão

Todos esses pequenos seres merecem o nosso amor, o nosso reconhecimento de sua dignidade, o nosso respeito. Mas morrem aos milhões todos os dias, nas fazendas e granjas que abastecem as mesas e geladeiras de quem ainda não aderiu ao veganismo nem ao vegetarianismo.

Então, se você ainda consome alimentos de origem animal, pense no cachorrinho ou gatinho fofo do vídeo que você assistiu ontem de noite. E reflita como seria se, no lugar daquele filhotinho “de estimação”, houvesse um leitão ou bezerro que seria mandado ao matadouro pouco depois do vídeo.

Aprecie, respeite e, se quiser, ame todos os filhotes fofos. Sem distinção de espécie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*