Conheça a enorme importância das hortas urbanas e saiba como construir e manter uma

Horta urbana

Foto: Vinasocial/Creative Commons

Gratidão a Jorge Caronte pela sugestão da pauta. Sugira você também sua pauta para um ou mais futuros artigos (não inclui notícias e eventos)

Existe uma maneira de você, por meio de uma instalação relativamente simples em sua casa, apartamento ou comunidade, economizar parte do dinheiro gasto com alimentação, aliviar a demanda por terras agrícolas, cultivar a democracia na sua cidade e reforçar a luta vegana pelos Direitos Animais e pela sustentabilidade.

Falo aqui da criação e manutenção de hortas urbanas. Algo que vem para revolucionar – em diversos sentidos possíveis – a vida nas cidades e sua alimentação.

Conheça, por meio deste artigo, mais sobre o quanto é importante, para não dizer decisiva para o futuro da humanidade, a disseminação desse meio de cultivo de vegetais.

O que é uma horta urbana

Horta doméstica

Hortas domésticas, um tipo extremamente interessante e benéfico de horta urbana

A horta urbana é uma horta cultivada num ambiente urbano coletivo (fora de casa) ou doméstico (dentro do lar), que pode ter entre uns poucos e algumas centenas de metros quadrados ou ser plantada verticalmente com o auxílio de, por exemplo, garrafas pet e vasos.

Virtualmente qualquer casa ou apartamento que tenha algum cômodo recebendo luz solar suficiente pode adotar uma horta do tipo. O mesmo se aplica a praças e parques, quando não há obstáculos na legislação municipal para o plantio de vegetais comestíveis nesses locais.

 

Os grandes benefícios das hortas urbanas

Horta urbana em São Paulo

Uma horta orgãnica urbana plantada num terreno outrora abandonado em São Paulo: hortas urbanas transformam positivamente o espaço urbana. Foto: Reprodução/Globo Repórter

O cultivo de hortas urbanas nas casas e nos espaços urbanos trazem benefícios inestimáveis tanto no âmbito individual quanto no coletivo.

Individualmente falando, elas:

  • Permitem a você economizar algumas dezenas ou até centenas de reais por mês em compras de vegetais em feiras e supermercados;
  • Fornecem alimentos muito mais saudáveis do que os colhidos em plantações rurais convencionais, já que geralmente não levam agrotóxicos nem são organismos geneticamente modificados (OGMs);
  • Fornecem plantas protegidas, pela ausência de agrotóxicos, de perder parte dos nutrientes por causa desse tipo de veneno;
  • Geram vegetais muito ricos em nutrientes, uma vez que via de regra são plantados nas épocas do ano mais propícias para cada espécie;
  • Enriquecem seu modo de vida vegano;
  • Aproximam você do contato direto com a Natureza e diminuem a sensação de viver numa cidade demasiadamente cinzenta, concretada, saturada e poluída;
  • Melhoram o microclima de sua casa, uma vez que as plantas cultivadas refrescam o ar que circula nela;
  • Trazem crianças e adolescentes para o contato direto com a arte de cultivar plantas para consumo próprio;
  • Embelezam sua casa com cores bonitamente exuberantes;
  • Diminuem bastante o consumo de plantas cheias de agrotóxicos e alimentos pobres em nutrientes, impulsionando e protegendo sua saúde.

Já no aspecto coletivo, esse tipo de construção traz como benefícios:

  • Um uso mais democrático e coletivo dos espaços urbanos, por meio das hortas comunitárias;
  • A ocupação de espaços ociosos dentro da comunidade;
  • Uma maior politização do usufruto do solo da cidade, tornando os membros da comunidade mais conscientes da necessidade da propriedade coletiva e socializada da produção de alimentos, além de opostos às políticas de privatização de praças, parques e recursos naturais;
  • A eventual geração de empregos por meio de cooperativas de agricultura urbana;
  • O esverdeamento da paisagem urbana local e municipal;
  • A melhoria do microclima local em torno da horta;
  • A difusão da alimentação vegetariana e do modo de vida vegano, inclusive em comunidades pobres;
  • O combate à exploração animal: quanto mais hortas urbanas e disseminação do veganismo e vegetarianismo, menos animais serão explorados pela pecuária no campo e pela pesca nos mares, rios e lagos;
  • A redução da demanda por terras agrícolas e, por tabela, a diminuição do desmatamento causado tanto pela pecuária quanto por plantações latifundiárias;
  • O enfrentamento ao agronegócio e seus abusos, como o uso de agrotóxicos e OGMs, a concentração de terras, a violência contra camponeses, indígenas e quilombolas, o influenciamento de políticas rurais elitistas, a corrupção etc.;
  • entre muitos outros.

 

Como construir e manter hortas urbanas?

Horta doméstica - TV Cobasi

Assista ao vídeo, indicado a seguir, da TV Cobasi, sobre como criar sua própria horta doméstica

Recomendo esses quatro materiais, que trazem informações bastante completas sobre como criar hortas domésticas e comunitárias:

Como bônus, convido você a conhecer como as hortas urbanas estão mudando a vida de muitas pessoas e enchendo de verde a Zona Leste da cidade de São Paulo, nesse programa de julho de 2016 do canal Boa Vontade, da Legião da Boa Vontade, também no YouTube.

 

Considerações finais

Pequena árvore frutífera, horta doméstica

Pequena árvore frutífera plantada numa horta doméstica. Hortas domésticas também podem fornecer frutas

As hortas urbanas possuem uma importância muito maior do que a maioria dos moradores das cidades acreditam. Isso será cada vez mais percebido por pessoas como você que leu este artigo.

Se você pode reservar um pouco de dinheiro – algo em torno de dois dígitos de real, às vezes três – para montar sua horta urbana, faça isso o quanto antes. Plante sementes e colha folhas para temperos e saladas, ervas, legumes, verduras, frutas, flores comestíveis e também benefícios superimportantes para sua vida e a forma como você vivencia sua casa, sua comunidade e sua cidade.

Siga-me aqui

Robson Fernando de Souza

Autor dos blogs Consciencia.blog.br e Veganagente e do livro Veganismo: as muitas razões para uma vida mais ética. Formado em Licenciatura em Ciências Sociais (UFPE, 2016) e Tecnologia em Gestão Ambiental (IFPE, 2008). Adora Sociologia, meio ambiente, Direitos Animais & Veganismo e autoajuda.
Siga-me aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *