Diga não ao mel

O consumo de mel costuma ser menos comentado. Mas a origem desse produto não é menos violenta do que a de carne, laticínios e ovos.

E assim como no caso desses outros alimentos, sua ingestão costuma ser justificada por crenças que na verdade acabam sendo desmascaradas como mitos.

Assim sendo, convido você a saber a resposta vegana a cinco desses mitos sobre o ato de comer mel e sua suposta importância para a saúde humana.

1. “O consumo de mel é necessário para a saúde.”

Essa crença não faz sentido porque não há nenhum nutriente no mel que não possa ser encontrado em fontes vegetais.

Além disso, diversas instituições de saúde e nutrição defendem que uma alimentação totalmente livre de componentes de origem animal é perfeitamente adequada para a saúde humana, uma vez equilibrada e planejada, a exemplo da Academia de Nutrição e Dietética dos Estados Unidos.

2. “Mel é o único produto bom para adoçar chás, sucos e café dispensando-se açúcar processado e adoçante sintético.”

Existem diversas opções vegetais para se adoçar essas bebidas, entre elas o melaço de cana (também conhecido como mel de engenho) e a stévia.

Também há a opção de consumi-las sem adoçante, curtindo-se o sabor natural delas.

3. “Mel é um xarope necessário para se tomar em caso de tosse ou gripe.”

Existem diversos remédios e chás que podem substituir o mel em caso de tosse ou gripe. Um exemplo natural para aliviar gripes e resfriados é o chá de limão com gengibre.

Abelha depositando mel na colmeia

4. “Mel é mais saudável do que carne, leite e ovos.”

Não é bem por aí. O mel corre o risco de estar contaminado com toxina botulínica, causadora do botulismo, uma doença que pode ser fatal para crianças e causar mal-estar em adultos.

Portanto, não há garantia total de que aquele frasco de mel traga mais saúde e menos riscos do que outros alimentos de origem animal.

5. “Consumir mel traz nutrientes que não podem ser encontrados em outros alimentos.”

Como foi dito, não existe nenhum nutriente exclusivo do mel. Todos os presentes nele podem ser encontrados em vegetais.

Aliás, diversos deles são encontrados com mais abundância no melaço de cana.

Bônus: “Não há nada de errado em um vegetariano comer mel.”

Atualmente está ganhando força uma nova definição de vegetarianismo, como alimentação livre de todo e qualquer componente de origem animal, não só de carne.

Além disso, a produção de mel envolve toda uma série de violências e mortes contra as abelhas e suas colmeias.

Conclusão

Assim como os demais alimentos de origem animal, não existe uma necessidade inescapável de se consumir mel. Você pode abandoná-lo e substituí-lo sem nenhum prejuízo para a saúde.

Portanto, não perca tempo. Repense o consumo desse produto – e dos demais de origem animal – e considere o veganismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*