O "dilema" do porco na ilha deserta
Saiba como responder ao “dilema” do porco na ilha deserta. Foto: iStock

Muitos não veganos – de pessoas leigas sobre veganismo a antiveganos assumidos – vêm nos perguntar: “E se você ficasse preso numa ilha deserta com um porco? Você continuaria vegano e morreria de fome, ou comeria o animal?”

Essa pergunta ainda confunde muitas pessoas e as deixa sem uma resposta à altura. Mas acredite, é até bem fácil respondê-la.

Saiba neste artigo como dar uma boa resposta a essa pergunta.

Como responder à famigerada pergunta da ilha deserta

A verdade sobre esse argumento é que ele é absurdo e inverossímil porque:

  • Em situações extremas como naufrágios e acidentes de avião em lugares remotos, as regras ético-morais do dia-a-dia não valem, já que a situação é de vida ou morte. Ou seja, nessas ocasiões não é reprovável nem mesmo comer carne humana;
  • Portanto, não faz sentido usar situações excepcionais extremas para se determinar a ética dos nossos costumes cotidianos;
  • Ficar preso numa ilha deserta é uma situação extremamente rara e excepcional, e nada tem a ver com a vida comum dos veganos;
  • Além de tudo, é absurda a presença de um animal “de consumo” sozinho, sem seu criador ou tutor, numa ilha deserta.

Se você precisa usar uma resposta curta, basta dizer que situações extremas como ficar preso numa ilha deserta não dizem nada a respeito dos princípios éticos que praticamos no dia-a-dia.

Conclusão

Viu como é fácil responder a esse dilema da ilha deserta?

Agora você pode usar essa resposta tanto para esclarecer não veganos leigos quanto rebater as tentativas dos antiveganos de desmerecer a ética vegana.

2 comments

  1. Eu não costumo me justificar para ninguém e muitas vezes inverto a situação e pergunto : ” E vo pq come animais ?
    Bem mas referente ao questionamento um tanto bizarro que vc citou, eu diria a minha verdade : O porquinho seria meu grande companheiro e amigo. O trataria com todas as honras e exploraríamos a ilha em busca de frutas, alimentos verdes, água potável, enfim….partilharíamos deste farto banquete na santa paz da ilha. Já me alimento desta forma e portanto não morreria de fome, kkkkkk. Só sentiria falta de uma bela macarronada kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*