Homer Simpson desejando pizza

Obs.: Este artigo é especificamente para vegans. Se você ainda não é vegan, lhe recomendo toda esta categoria de artigos e este livro para você compreender por que aderir ao veganismo é uma necessidade urgente para os animais e o planeta.

Essa situação tem acontecido com você?

Você está numa boa, fazendo seu trabalho, ou estudando, ou conversando com os amigos. Ou então, está na cozinha enquanto seus pais ou irmão preparam uma carne ou assam um queijo.

Aí, de repente, dá aquela saudade do gosto da carne vermelha dos churrascos, ou das carnes de aves e peixes fritas no óleo, ou daquele queijo que você comia até uns meses ou anos atrás, ou da pizza de calabresa com mussarela…

Junto com essa saudade, vem um desejo de comê-la novamente. E então você se lembra que não deve se render a essa tentação, pois é vegano ou vegetariano e jurou nunca mais pagar consentidamente pela exploração animal.

Só que, mesmo com esse compromisso ético, continua voltando aquela vontade de consumir esses produtos. Sua convicção ética é frequentemente posta à prova diante de velhas demandas do corpo.

Se isso tem ocorrido em sua vida, talvez se pergunte: “E agora, o que posso fazer para acabar com esse tipo de situação que tem me causado tanto constrangimento e tanta briga interna na minha consciência?”.

Saiba, por meio deste artigo, como deixar no passado esse desejo tentador de consumir aquilo que você jurou que nunca mais ingeriria.

 

O problema do craving por alimentos de origem animal

Craving, desejo por laticínios

Essa inconveniente tentação tem um nome: craving.

O craving é um desejo instintivo de voltar a consumir determinado alimento, bebida ou droga que você abandonou ou deixou temporariamente de lado. Por exemplo, alguém pode sentir isso em relação a carne bovina, queijo, coxinha de shimeji, café, açúcar, cigarro, cerveja etc. É uma espécie de abstinência leve.

É um tanto comum pessoas com não muito tempo de veganas ou vegetarianas sentirem craving por alimentos de origem animal, em especial carnes e laticínios. Afinal, têm saudade do sabor, da comunhão com amigos e familiares a qual o seu consumo proporcionava, da sensação de prazer que esses produtos traziam ao serem comidos.

Isso pode ser um baita problema, em se tratando de pôr à prova a força de vontade e a convicção ético-moral do indivíduo. Afinal, acaba forçando muitas pessoas a abandonarem o veganismo ou o vegetarianismo e voltarem a ingerir alimentos de origem animal.

Então como superar isso?

 

Superando a tentação de consumir carnes e/ou laticínios

Lisa reluta em comer carne

Muitas pessoas tentam reprimir esse desejo, forçando-se a evitar comer esses produtos como se estivessem em abstenção religiosa. Mas isso não é necessário, pois existe uma maneira muito melhor de educar seu corpo e mente a rejeitá-los com muita repulsa, não mais se atrair por eles.

Essa solução consiste em você associar os alimentos de origem animal à crueldade, à violência, à exploração animal, à miséria dos animais não humanos explorados pela pecuária, pesca e apicultura. Também é útil e necessário ligar o consumo desses produtos à exploração semiescrava de seres humanos e às mais diversas formas de destruição ambiental proporcionadas por atividades especistas.

Pense que esses momentos de tentação acontecem porque sua convicção ética de respeito aos animais (e também aos seres humanos e ao meio ambiente castigados pelas atividades de exploração animal) ainda não se solidificou e amadureceu o suficiente.

Tendo isso em mente, assista, se tiver nervos fortes o suficiente, vídeos e documentários que denunciam o quanto o especismo e suas práticas são inerentemente cruéis. Dou como sugestão os documentários Terráqueos e Cowspiracy: o segredo da sustentabilidade, que denunciam, respectivamente, as violências especistas e a destruição ambiental causada pela pecuária e pela pesca.

Esses materiais muito provavelmente irão firmar em sua mente o quanto a produção e, por tabela, o consumo de produtos animais são absurdamente antiéticos e precisam ser abolidos.

Depois de vê-los, treine sua mente para associar os alimentos de origem animal que lhe fazem sentir o craving não mais aos prazeres do paladar e da confraternização social, mas sim àquelas atrocidades que você viu nessas filmagens.

Isso vai fortalecer e amadurecer sua ética antiespecista e, assim, livrar você de uma vez por todas da tentação de consumir carnes e laticínios. Esses produtos passarão a ser vistos por você como não alimentos, algo tão errado de se comer quanto carne humana ou de cachorro. E você provavelmente passará a sentir nojo deles.

 

Considerações finais

Rejeitando carne e queijo

Com a ajuda de documentários defensores dos Direitos Animais, do veganismo e da genuína sustentabilidade, você conseguirá ter força mental suficiente para acabar com o constrangedor desejo de, em nome do paladar, trair os animais e os humanos explorados pelos pecuaristas, pescadores e apicultores.

Vença o craving por produtos de origem animal não se forçando à abstenção e à repressão interna de seus desejos instintivos alimentícios, mas sim decantando e solidificando a ética animal e ambiental dentro de si. Sua consciência vivenciará um enorme alívio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*