bad-news-vegetarians

Quando o assunto é supostamente pertinente ao veganismo, os carnistas caem em cima e promovem manipulações, daí uma matéria que não tem nada a ver com a ética vegana parece tornar-se uma “prova” de que “os veganos estão errados”. Foi o caso da matéria de anteontem do tabloide inglês Daily Mail, que, desde seu título, diz trazer uma “má notícia para os vegetarianos”. A notícia fala de um experimento que comprovou que as plantas do gênero Arabidopsis reagem a estímulos sonoros de lagartas e emitem óleo de mostarda, que é nocivo a esses animais.

O título da matéria manipula o fato, deixando a entender claramente que a experiência em questão teria “comprovado” que “plantas sentem dor” e “têm o interesse de não serem comidas”, por isso seria uma “má notícia” aos veganos. A manipulação é percebida quando percebemos que:

1. A espécie vegetal que passou pelo experimento é apenas relacionada taxonomicamente ao repolho e à mostarda, sequer trata-se de uma planta comestível para humanos;

2. Nenhuma planta comestível foi estudada no contexto da matéria;

3. Não houve nenhuma reação comparável à sensação da dor e à manifestação de sofrimento, por parte da planta do gênero Arabidopsis. O que houve foi uma reação físico-bioquímica ao estímulo sonoro emitido pelo ruído das lagartas;

4. O suplemento que traz a nota sobre plantas “poderem falar” nada fala além de que a reação química de um gás emitido por certas plantas com determinados feixes de luz emite um som estridente, e que isso poderia explicar o barulho emitido quando esses vegetais são arrancados do solo. O próprio suplemento afirma que plantas não são capazes de “gritar de dor”;

5. Absolutamente nada na matéria deixa a entender que foi “comprovado” que plantas seriam capazes de manifestar dor e sofrimento e por isso passarão a ser protegidas pelos mesmos princípios éticos dos Direitos Animais.

Fica claro que a notícia em si não diz nada sobre senciência vegetal. Mas o carnista que escreveu a matéria cometeu a desonestidade de manipular o noticiado e deixar a entender, no título dela, que a notícia “desagrada” quem defende os Direitos Animais. O sensacionalismo, tradição dos tabloides britânicos, fica explícito ali, e visa atrair leitores carnistas. E estes, por sua vez, vão usar a matéria como “prova” de que “plantas sentem dor” e por isso seria OK explorar, matar e consumir animais, e fazer veganos desavisados lerem a matéria e darem mais pageviews ao site do Daily Mail.

Assim sendo, caso algum carnista apresente essa notícia do Daily Mail para você, mostre a resposta abaixo (clique na imagem para vê-la em tamanho completo; texto em inglês e resposta em português), e peça para ele ler a matéria inteira, que não fala nada sobre “comprovar” a senciência vegetal.

146-plantscanhear

17 comments

  1. devemos estar abertos a possibilidade de que as plantas também sejam sencientes, do contrário, veganismo virará religião. devemos abrir mão de toda forma de vida na alimentação: começamos com a carne e logo mais , com as plantas, acredito. O que sobra? comida sintética, mineral…

    1. Olha, concordo com tudo que você falou e vou complementar.
      Em folhas de Tabaco onde lagartas comem as folhas, as folhas sentem que estão sendo comida e se liberam um ferormônio para se proteger. Ai se abre a discussão de que elas estão sentindo dor e se protegendo, todos os seres vivos fazem isso, logo seria uma prova de que ela sente dor.
      Outro caso é de estudos que provam que plantas crescem mais bonitas e saudáveis ao som de musica clássica, que seria o lado contrario dessa pesquisa. E seria apenas uma pesquisa, não algo dos “carnistas” para atacar vegetarianos. Galera vamos acordar vocês estão paranoicos e inventando termos pejorativos para atacar os outros.
      Vocês não devem se sentir culpados, a natureza mesmo é assim, se chama cadeia alimentar, é algo natural, sempre foi e sempre será assim, comer ou não é uma escolha pessoal, e eu não encaro isso como uma evolução, pois nos dois casos existem prós e contras.

      Um abraço do seu amigo carnista Iago Ranieri.

      1. 1. Se uma bactéria, que é unicelular, foge de um outro micro-organismo que pretende fagocitá-lo, ela é senciente e tem o interesse de não querer morrer, é isso?
        2. Esses estudos (cujas fontes e autores você não menciona) foram bem-sucedidamente reproduzidos por outros cientistas?
        3. E você, que é louco pra tentar anular o argumento ético da senciência, é menos paranoico em fazer isso?
        4. A natureza “é assim” e envolve estupros e infanticídios, daí você estupra mulheres e mata crianças também?
        5. Aquela cadeia alimentar que o próprio ser humano criou e administra e tenta lhe empurrar como “natural”?
        6. Falácias de apelo à tradição também sempre foram e sempre serão falácias.
        7. Uma “escolha pessoal” feita pela indústria lacto-frigorífica, pela tradição e pela sua família pra vc?

  2. Não entendo porque perdem tempo com este tipo de pesquisa para provar algo para os vegetarianos. Mesmo que provem (sqn), qual o problema para vegetarianos ? Para o veganismo, não há problemas. O veganismo defende os direitos à vida e liberdade da vida no REINO ANIMAL, inclusive da sua própria espécie. Não há que se falar em defesa da vida no reino vegetal. Ridiculo em todos os aspectos. Alguém avisa para estes “pesquisadores” o mico que eles estão pagando.

    1. Quem falou q a pesquisa é pra provar algo aos vegetarianos? [Trecho com ataque pessoal apagado. Comente sem atacar a quem você menciona, ok? RFS]

      O intuito da pesquisa, como bem disseram os próprios pesquisadores, é entender melhor como as plantas se defendem para poderem desenvolver melhores pesticidas e defensores agrícolas.

  3. Essa guerra chega a ser cômica. Não gosta de salada ou algo do tipo? Beleza. Não gosta de carnes em geral? Beleza tb. Cada um na sua e viva a liberdade. Eu adoro uma salada, mas tb adoro uma picanha suculenta na brasa!

      1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Tô falando que essa guerra é cômica. Olha a interpretação que o cara dá para o que eu falei!

        hauhauhauhauhauhauhau

        Pode continuar falando sobre os ‘direitos animais’ cara. Não vejo problema algum. É por isso que digo, viva a liberdade. Você pode falar a vontade, o quanto quiser. Eu dar importância, aí já são outros 500. Hehehehehehehehehehehehe

        1. Digo isso porque, toda vez que alguém vem com o argumento de “você, seja vegano e me deixe continuar comendo carne/leite/ovos; fique no seu quadrado enquanto fico no meu”, é pra tentar silenciar quem se engaja em conversar/debater com não veganos sobre ética no consumo.

  4. Que seja, mas ambos já estão mortos, não? Que besteirada, cada um come o que quiser, de acordo com a sua consciência. Até pouco tempo atrás eu nem sabia do tal “abate humanitário” que pouquíssimos abatedouros praticam, seria muito mais inteligente lutar para diminuir o sofrimento dos animais, não? Quem fizer isso, aí sim tem o meu total respeito, ficar de picuinha é contra-producente. Como alguém comentou acima, eu como salada e adoro uma picanha e pronto. Uma das formas seria boicotando carne de abatedouros que não levam a sério essa demanda de boa parte dos tais “carnistas”. E que nominho besta, claro, como comedor de grama. Abraços.

    1. Ou seja, lutar pra que os animais sejam simplesmente deixados em paz, em vez de mortos nos matadouros, é “picuinha” e “besteirada” e os veganos devem defender o que você os manda defender – no caso, um veganismo de não agressão que não conscientiza ninguém – pra só aí terem “seu total respeito”, porque, afinal, precisamos ter a aprovação de carnistas antes de defendermos o que defendemos, ou melhor, o que eles nos mandam defender. É isso?

  5. a cadeia alimentar que os humanos inventaram??? Noooosssa!!! …quem postou isso … deve viver em apartamento comendo vegetais e nunca pisou em terra ou foi num quintal observar a natureza vivendo!!!

    1. Afinal, a pecuária – ainda mais com pesados instrumentos de processamento de carne – e a pesca industrial são atividades muito naturais, encontradas em qualquer ecossistema. -sóquenão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*