Essa é uma pequena área de uma grande feira com milhares de opções vegetais para você comprar e deliciar
Essa é uma pequena área de uma grande feira com milhares de opções vegetais para você comprar e deliciar

Há uma versão melhorada e atualizada deste artigo no livro Veganismo: as muitas razões para uma vida mais ética

Muita gente ainda tem receio de aderir ao veganismo – ou começar pelo vegetarianismo (aqui definido como opção alimentar sem nenhum componente de origem animal) – por um preconceito: achar que uma alimentação sem produtos animais é pouco diversificada e de sabores fracos. Eu gostaria de refutar essa falsa crença, anunciando com alegria: é um universo inteiro de delícias a aguardar cada pessoa que caminha rumo ao vegetarianismo e em transição ao veganismo.

Para quem subestima essa diversidade, realço algo que deveria ser óbvio: tudo aquilo de plantas comestíveis que você compra na feira livre ou no supermercado é alimento vegetariano. Todas aquelas frutas, verduras, legumes, oleaginosas, ervas, folhas, sementes, temperos… Tudo isso é vegetariano em essência, mas muita gente não percebe isso.

Vamos ter uma ideia dessa diversidade de delícias, com essa pequena amostra de opções para se comprar nesses lugares e, em casa, cozinhar ou comer cru:

Frutas: Abacate, banana, maçã, mamão, melão, caju, cajá, acerola, laranja, limão, morango, melancia, pinha, uva, cereja, maracujá, açaí, pera, goiaba, jambu, jaca (verde ou madura), abacaxi, jabuticaba, azeitona preta, lima, cupuaçu, tamarindo, tangerina, kiwi, pinhão… Isso sem falar que cada uma dessas frutas contém diversos subtipos – por exemplo, quando se fala em banana, pode ser banana-prata, banana-maçã, banana-pacovan, banana-nanica, banana-comprida etc.

Verduras, legumes e folhas: Cenoura, chuchu, batata, mandioca, inhame, cará, maxixe, quiabo, alface, tomate, cebola, gengibre, abóbora, couve-folha, beterraba, berinjela, brócolis, couve-flor, acelga, repolho, espinafre, escarola, abobrinha, vagem, pimentão, jiló, coentro…

Grãos, cereais, sementes e leguminosas: Arroz, feijão, milho, ervilha, centeio, semente de girassol, semente de linhaça, aveia, amendoim, semente de abóbora, nozes, amêndoas, fava, grão-de-bico, soja, cevada, gérmen de trigo, milheto, centeio, lentilha, tremoço, quinoa…

Tudo isso são alimentos vegetarianos. E você pode ser vegetariano(a) comendo “apenas” essa enorme variedade e nunca tendo comido um grama sequer de imitações vegetarianas industrializadas de carnes e queijos.

E aliás, se você “não vive sem” carne, leite e queijo, pode muito bem fazer versões vegetais desses em casa, e bem diversificadas, usando apenas ingredientes baratos e fáceis de encontrar. Hambúrguer de proteína de soja, de grão-de-bico, de ervilha etc.; leite de aveia, amendoim, inhame, arroz, coco etc.; queijo de tremoço, mandioquinha, mandioca etc.; carne de jaca, soja (proteína texturizada), seitan etc. Tudo com facilidade e muito sabor.

E a cereja do bolo são as milhares de receitas, que são apenas uma parte de milhões de combinações possíveis e viáveis de ingredientes, que você pode fazer com essas delícias. Confira duzentas desse universo imenso de receitas nesse e-book [link afiliado].

Ao contrário do que o preconceito do senso comum vive dizendo, a variedade da alimentação vegetariana é imensa, um universo inteiro de opções. Você pode começar a conhecê-la almoçando num restaurante vegetariano bom que você possa pagar, e explorando todo esse cosmos de receitas livres de exploração animal. Assim como os animais não humanos, você só tem a ganhar e nada a perder com a adesão ao veganismo e, por tabela, à alimentação vegetariana.

Tenha acesso a uma “pequena grande” amostra desse universo de receitas adquirindo o e-book 200 Receitas Veganas [link afiliado].

4 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*